[Temáticas Organizadas]: Gestão de Carreira: Para Além do Controlo

Temáticas Organizadas

No mundo ocidentalizado, o ser humano vive grande parte da sua vida no futuro. Fazemos constantes previsões acerca da evolução da tecnologia, dos governos, dos mercados, do trabalho. Com base nesta visão de futuro, definimos estratégias que não fazem mais do que tentar assegurar que um determinado resultado é atingido. De forma semelhante, fazemos o mesmo com a nossa carreira quando definimos que curso completar e que profissão seguir; em que empresa trabalhar, que funções ocupar e quanto dinheiro ganhar. Mesmo que, muitas vezes, tal planeamento se aproxime mais de uma declaração de intenções, somos automaticamente impulsionados a definir uma visão de futuro para a nossa carreira.

Na base desta abordagem à gestão de carreira está a crença de que, ao definir uma estratégia, conseguimos atingir um determinado resultado. É uma abordagem estritamente racional e parte do pressuposto que, com uma clara definição de objectivos e um ajustamento entre os interesses pessoais e as aptidões necessárias para o acesso à carreira, temos as condições necessárias para prever um caminho para o futuro. Planear a carreira desta forma, para além de nos motivar para a acção, transmite-nos uma percepção ilusória de controlo sobre o futuro. Mesmo que as leis do mercado tenham mudado e que prever o futuro seja cada vez mais difícil, a verdade é que continuamos a alimentar o artifício de que a carreira deve obedecer a uma sequência de etapas pré-definidas.

Esta abordagem à gestão de carreira não é nem boa nem má por si só. Mas, nos tempos complexos e incertos que enfrentamos, qual a probabilidade de assegurar que seremos contabilista, médico, professor, consultor para toda a vida?

A verdade é que, enquanto vamos pensando na carreira em termos hipotéticos, o presente acontece. Vamos vivendo diferentes experiências de vida, acumulando diferentes papéis, valorizando diferentes abordagens e, quando de repente despertamos para o presente, damo-nos conta de que aquilo que planeamos deixou de fazer sentido. Por diversas circunstâncias, fruto de pressões externas ou internas, percebemos que o percurso de carreira que hipoteticamente definimos já não é viável e não consegue suprimir um conjunto de necessidades que queremos asseguradas. Outras vezes, percebemos que o que temos actualmente já não nos é suficiente. Quase sempre, quando o choque com o presente acontece, sentimo-nos fragilizados. De alguma forma, tornamo-nos vítimas inconscientes de um processo de desfasagem entre uma carreira idealizada e a realidade do mercado e da pessoa que somos hoje.

A carreira de uma pessoa é indissociável do cumulativo das suas experiências. Carreira e vida andam lado a lado uma da outra simplesmente porque não podemos dissociar o “eu” profissional do “eu” pessoal. As experiências que continuamente vivemos quer no trabalho quer na vida pessoal determinam quem somos e este é um facto com o qual temos de aprender a viver.

Pelas vivências que vamos acumulando, pelas oportunidades que não havíamos previsto ou antecipado e pelas mudanças de contexto, somos muitas vezes forçados a reajustar a nossa trajectória e a replanear alguns dos nossos objectivos futuros. Por outras palavras, à medida que vamos acumulando experiências, a nossa visão do mundo muda e podemos ter em conta outras variáveis nas nossas projecções e decisões e futuras, ajustando assim o nosso alvo final.

Por este motivo, a carreira é um processo em construção contínua e a sua gestão aproxima-se da imagem de um artesão a moldar o barro. Quando um artesão começa a trabalhar não sabe ao certo o resultado final. O produto que emerge pode tomar uma forma diferente dos seus anteriores trabalhos ou mesmo daquilo que ele se propôs fazer à medida que as suas mãos vão moldando o barro. Para este artesão, a acção precede o pensamento e um novo objecto pode aparecer a qualquer altura do seu processo de trabalho.

A imagem do artesão a moldar o barro é uma metáfora inspiradora, com implicações profundas para a nossa actuação. Nesta metáfora, cada um de nós é um artesão e a carreira o barro por moldar. À semelhança do artesão também nós podemos dar formas diferentes à nossa carreira à medida que acumulamos novas experiências de vida e novas competências. Pensar a carreira nestes termos torna-nos mais flexíveis e aumenta a nossa empregabilidade: permite-nos, sem sentimento de frustração ou insucesso, abrir mão do que havíamos intencionado por inadequação ao mercado actual e à pessoa que somos hoje.

Num mundo em permanente mutação, controlar o futuro é impraticável e, quase sempre, pouco adaptativo. Mais ainda, pensar que controlamos o futuro torna-nos alienados do presente. Por isso, gerir a carreira não é sinónimo de controlo mas de construção contínua. Para o nosso próprio desenvolvimento temos de ter a capacidade de perceber que o futuro pode ser reajustado à medida que se percorre o caminho até chegar a ele. Gerir a nossa carreira é ter a coragem de abrir mão daquilo que damos por adquirido e construir um novo significado à medida que nos modificamos com as nossas experiências pessoais. Gerir a carreira é ser o artesão da nossa própria vida.

Andreia Rosa

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>