[Envelhecer]: Estaremos a oferecer o que os idosos desejam/precisam?

Envelhecer

Estaremos a oferecer o que os idosos desejam/precisam?

Neste primeiro apontamento de 2014 acerca do envelhecimento, pretendo contemplar a adequação das ofertas de entretenimento/lazer/actividades direccionadas aos idosos.

Como é comummente aceite a ideia (e é patente no documento da UNESCO de 1985, p. 51 referido em *1) de que um envelhecimento activo e bem sucedido está ligado a uma participação e envolvimento em actividades, lúdicas, de cariz social como voluntariado e actividades para prevenir o sedentarismo e o isolamento. É referido também nesse artigo que a participação dos idosos nas variadas ofertas de educação continua a ser insatisfatória. Reflecte-se portanto na dinâmica recursos disponíveis vs aproveitamento dos mesmos.

Mas se os idosos decidem não aderir a tais ofertas, no mínimo serão ingratos? Ou as ofertas não lhes interessam? O que será que lhes interessa?

Parece-me que ao abrigo de estereótipos de invalidez e de regresso à infância os idosos são forçados, talvez pela ausência de alternativa, a aderir a actividades que pouco os estimulam, tanto cognitivamente como animicamente, pois como é referido no artigo*2, “…não é o simples facto de participar em actividades de lazer que garante a promoção do bem-estar dos idosos: é ainda necessário considerar a qualidade e o significado que tais actividades têm para os mesmos.”

Supondo que os idosos, ou genericamente todos os que se reformaram da vinculação a um emprego, continuassem a ter um papel activo socialmente, longe do estereótipo de inutilidade social e humana a que são vetados. E se fosse possível continuar a encará-los como adultos responsáveis e capazes de tomar decisões sobre o que lhes interessa fazer e o que os motiva, nessa fase privilegiada de disponibilidade para perseguir interesses e gostos que foram adiados ao longo da vida, a sua participação em actividades que lhes aumentasse a qualidade de vida, em vez de actividades infantilisantes e com pouco contributo para a sua autonomia e dignidade, aumentaria?

Não sei se será assim tão simples. Outros autores (van der Kamp & Scheeren, 1997, p.151 referidos em *1) sugerem que o envolvimento, por exemplo nas actividades de educação formal para adultos entre as classes etárias mais avançadas está ligado ao nível de escolaridade anterior e à situação laboral. Ou seja se estes idosos a que me refiro foram uma das gerações que teve menos acesso a níveis de escolaridade elevados e se já se encontram reformados a sua participação em iniciativas de educação formal para adultos será eventualmente muito baixa.

Há ainda a colaborar com esta abstinência a suposta e popular ideia de que “burro velho não aprende línguas”, e a vergonha de “não saber”, que poderá estar a inibir muitos de participar.

A cultura da vergonha e do medo do erro é difícil de combater especialmente quando está aliada ao estereótipo “reforma=inutilidade” que ajuda a nem contemplar a ideia de continuar a crescer por dentro e a aprender.

O autor *1 deixa sugestões a quem trabalha com esta população: “ a qualidade do ambiente é determinante para o desenvolvimento intelectual dos idosos [como acontece nas restantes faixas etárias] – há necessidade que se mantenham cognitivamente activos, que sejam responsabilizados por tarefas, que constituam desafios às suas capacidades intelectuais, que se lhes deixe oportunidade de resolver os próprios problemas sem a eles se substituir, desnecessariamente.”. Moody (1990) (cit in *1), refere ainda que “não devemos preocupar-nos tanto em transmitir novos conhecimentos ou informações, mas sobretudo, com desencadear uma nova compreensão do que já está presente nos educandos”.

Ora a mim estas ideias sugerem-me que a maior dificuldade em conseguir a adesão dos idosos às actividades e programas (e à psicoterapia?) para eles criados é criada por quem os planeia, supondo que são essencialmente diferentes, dos que seriam propostos aos restantes adultos. Um processamento aprofundado das “lições” (de vida) já aprendidas, e não apenas num regresso às colagens com massas poderia ser um caminho para “…que assumam melhor o próprio envelhecimento…” (UNESCO, 1985 referida em *1).

Não será isso que precisamos/desejamos todos?

Ana Carla Nunes

Referências:

*1 – Simões, A. (1999). A Educação dos Idosos: uma Tarefa Prioritária, Revista Portuguesa de Educação, 12 (2), pp.07-27.

*2- Simões, A., Lima,M., Vieira, C., Ferreira, J. Oliveira, a., Alcoforado, L., Neto, F. , Ruiz, F., Cardoso, A., Felizardo, S. & Sousa, L. (2006). Promover o bem estar dos idosos: um estudoexperimental, Psychologica, 42, 115-131.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>